Periodicidade de publicação de poemas

Caros leitores:
Espero que desfrutem na visita a este espaço literário. Este sítio virtual chama-se “Maria Mãe” e tem como página principal os poemas de Maria Helena Amaro.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Agosto


(Ilustração de Maria Helena Amaro)

Olho o mar em busca do teu corpo
a saltitar numa onda altaneira
Suponho então que estou à tua beira...
Que dor intensa. Recordo que estás morto!

Olho o mar e escuto o teu grito,
o sorriso, o gesto, o chamamento...
Tudo não passa de um grande sofrimento
pois a visão não passará de um mito

Estendo as mãos nas ondas maneirinhas
e as tuas mãos vêm ao encontro das minhas
mas o mar embate em carga sobre nós

Descem no mar as gaivotas velhinhas
voltejam lentas e tu as acarinhas
chamam por ti, que eu já não tenho voz

Maria Helena Amaro
Agosto, 2014


terça-feira, 18 de julho de 2017

Dia de parabéns (para o neto Francisco)


(Ilustração de Maria Helena Amaro)

Com os olhinhos de mel
e a gostar de pão-de-ló...
É o Francisco Miguel
o «príncipe» da sua avó!

Já tem «príncipe»  e «princesa»
Também já tem «cavaleiro»
É toda uma realeza
dentro do seu galinheiro.

E p'ra vida viver em beleza
Tem amor o tempo inteiro!

Maria Helena Amaro
(Dedicado ao neto no dia do seu aniversário)
23/02/2014

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Tarde de Agosto


(Ilustração de Maria Helena Amaro)

Há uma cadeira vazia
Uma TV fechada
Uma telefonia silenciosa e fria
na sala abandonada...
As cortinas cerradas
descem do teto em direção
à tijoleira escura...
É uma tarde de sábado
um dia tão molhado
Um dia tão suspenso...
Que triste companhia
É o que penso...
É o que eu sinto...
É o que eu digo...
Sem amiga ou amigo.
Pego na caneta
(eu não quero uma tarde tão serena)
Penso que a tua alma leve e terna
ainda gosta que eu seja poeta
e faço este poema
porque tu estás comigo.

Maria Helena Amaro
Agosto, 2014 

domingo, 16 de julho de 2017

Cântico lancinante


(Ilustração de Maria Helena Amaro)

Fora eu arma e seria machado...
Fora eu ira e teria batido...
Fora eu fera e teria rugido...
Fora eu voz e teria gritado...

Mas não fui arma, nem ira, fera ou voz,
nem desespero, nem barco naufragado,
que a tempestade que desabou em nós,
foi apenas um silêncio demorado.

A minha alma grita: eu não matei...
A minha alma grita: não bati...
A minha alma grita: só calei...

Arma, ira, fera, ... Já não sei...
Só me lembro que fugi...  fugi... 
Ao cântico lancinante não voltei.

Maria Helena Amaro
14/05/2014

sábado, 15 de julho de 2017

Requiem


(Ilustração de Maria Helena Amaro) 

Amar sem condições o teu dilema
«amar este e aquele» o teu sonhar
Liberdade para ser e para estar
Sem conflitos, sem peias, - problema?

Se Deus existe que te dê a Paz
Que os teus versos sejam actos de luz
Onde a poesia sempre nos seduz...
- De a escrever tu foste tão capaz!-

Florbela do campo alentejano,
da Conceição risco do firmamento -
Espanca jovem que espancava a dor

Poetisa da dor, do desengano,
alma eleita perdida contra o vento
Em vendaval de morte, sem amor

Maria Helena Amaro
Maio, 2014




  

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Encontro



É o encontro que nos ama e nos abraça
e nos lembra a doce mocidade...
É espantoso como o tempo passa
e nós estamos vivos sem idade!

É um dom. uma alegria, e uma graça

Renovamos, ano a ano, esta unidade
Pois nada nos detém ou embaraça
para poder quebrar uma saudade...

Pode a vida ser rude, triste ou baça,

que a alegria que por nós perpassa 
é como um mar na sua imensidade...

É o encontro que nos une e enlaça,

que o nosso curso é para nós uma taça,
que nós erguemos em nome da Amizade!


Maria Helena Amaro
(Encontro de Comemoração do  60º Aniversário do Curso de 1957-  Escola do Magistério Primário de Braga) 
1 de julho de 2017


domingo, 2 de julho de 2017

Portugal


(Ilustração de Maria Helena Amaro)

Naveguei por mar desconhecido
e vim ancorar a porto errado,
fui mendigo, eremita, escravizado
em estradas terras, sem sentido.

Fui soldado, emigrante, embarcadiço,
reinei em terra alheia, em terra minha,
voei no céu qual asa de andorinha,
vivi no mar as formas de feitiço.

Cheguei a velho e não conto a idade,
ano após ano retorno à mocidade
e vou de novo cometer desenganos...

Nem paz, nem nome, nem identidade
Onde vou eu perdido na cidade?
Só encontro tristezas, fome, danos!

Maria Helena Amaro
Julho, 2014.