Periodicidade de publicação de poemas

Caros leitores:
Espero que desfrutem na visita a este espaço literário. Este sítio virtual chama-se “Maria Mãe” e tem como página principal os poemas de Maria Helena Amaro.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Amor perfeito


(Ilustração de Maria Helena Amaro)


Amor-perfeito foi o meu amor
feito de fé, de luz, de esperar.
Abriu em junho como uma flor
e foi nesses abraços se aninhar.

Amor-perfeito foi o meu amor,
puro e viçoso, róseo, cor de âmbar,
envolto em rendas, em brilho, riso, cor.

Amor-perfeito foi o meu amor
Quando o agosto o fez de sombra e dor
e o desalento o veio conquistar...

Amor-perfeito foi o meu amor
do infinito buscou o seu senhor
e nunca mais, nunca mais irá murchar. 

Maria Helena Amaro 
16 de abril 2015


quarta-feira, 23 de maio de 2018

Convite


(Ilustração de Maria Helena Amaro)

Anda ver as azáleas floridas
e as camélias viçosas em flor
Traz contigo o amor das nossas vidas
naquele tempo sem desalento ou dor.

Anda ver o sorriso dos teus netos,
o barulho que preenche o nosso lar
Vem conhecer o melhor dos afetos
Vem dar-lhes colo e a luz do teu olhar.

Vem conhecer o meu cão Labrador
que o Tó me deu por companheiro
nestas horas de luto e solidão...

Traz-me uma estrela, um anjo ou uma flor
que o tempo breve corre tão ligeiro
e está velhinho este meu coração!

Maria Helena Amaro
15 de abril, 2015

terça-feira, 22 de maio de 2018

Busca


(Ilustração de Maria Helena Amaro)

Que fizeram da guitarra de meu pai
que trinava nos serões de Esposende?
É um queixume que de minha alma sai,
que me afaga, que me doí e que me prende.

Que fizeram da nossa sala de jantar
onde o bem e o mal se discutiam?
Pelas janelas nos entrava o luar
e pela porta um cheiro a maresia...

Que fizeram do terraço cimentado
todo o ano florido, ornamentado,
de caixotes de salsa e erva cidreira?

Andava neles o vento atormentado,
tonto de sol, do cheiro perfumado,
dos cravos róseos e da rubra sardinheira.

Maria Helena Amaro
12 de abril 2015.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Dia de anos


(Ilustração de Maria Helena Amaro)

Para mim foste sempre
na vida que vivi...
Mais que um filho-totobola
que Deus me deu
como prémio de consolação
pelos outros que perdi...
Foste o sol, a alegria, o sonho
que nasceu inesperado...
Obrigada amor pelo que és
por aquilo que és e que conténs.
Neste dia de cor
Parabéns! Parabéns e uma flor!

Maria Helena Amaro
14/04/2015


domingo, 20 de maio de 2018

Ai esta primavera!


(Ilustração de Maria Helena Amaro)

Ai esta primavera! Ai esta primavera!
Este mar tão salgado de saudade
Esta esperança de que estás à minha espera.
Desse outro lado na luz da eternidade.

Ai esta primavera! Ai esta primavera!
Esta certeza, esta dura verdade.
Esta solidão tão crua e tão severa
a que chamo tristeza, dor, maldade.

Ai esta primavera! Ai esta primavera!
Que me alegra, me magoa, me venera,
que me traz o teu rosto sem idade...

Ai esta primavera! Ai esta primavera!
Que já me lembra que não sou o que era.
Que me recorda a nossa mocidade!

Maria Helena Amaro
Março, 2015

sábado, 19 de maio de 2018

Nomes


(Ilustração de Maria Helena Amaro)

O sal é branco e chamam-lhe salgado.
Da noite escura dizem-lhe estrelada.
À vida morta chamam-lhe passado
À minha fé, eu chamo caminhada.

À madrugada todos chamam dia.
Ao sol vermelho já chamam clarão.
A um sorriso chamarei alegria.
Mas à tristeza eu chamo solidão.

Assim se escrevem nomes acertados.
Uns são corretos outros são errados.
Uns vivem sós, outros são como irmãos...

O papel quer guardá-los bem guardados.
Mas eles saem de caneta disfarçados
e são poemas de entrelaçadas mãos.

Maria Helena Amaro
Março de 2015

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Carta/poema


(Ilustração de Maria Helena Amaro)

Caminhaste tantos anos,
na planície longa
à procura da flor azul...
Encontraste a papoila
vermelha, esfuziante,
mas não a colheste
porque vestia de vermelho
e o vermelho para ti
chamava o conflito...
Encontraste o lírio meigo e roxo,
mas não era o sonho
que tinhas procurado...
Encontraste o malmequer sadio,
mas o malmequer era amarelo
e o teu sonho tinha de ser azul...
Na planície longa 
só encontravas rosas,
violetas, narcisos,
ignotas flores...
A busca foi dura e demorada,
mas numa manhã de sol
na planície longa
entre a erva daninha
encontraste a flor
a flor azul
azul e tão azul
que te cegou de luz...
Não foste capaz de a cortar...
Não foste capaz de a guardar...
Deixaste-a ao relento
ao sol
ao vento
à tempestade fria
e ela resistiu...
E tu? Que fizeste tu da
busca interrompida?
Não te deram a flor
e sentes pena? ...
Deixa lá! A flor é a vida
e esta carta tornada
num poema!


Maria Helena Amaro
Março, 2015