Periodicidade de publicação de poemas

Caros leitores:
Espero que desfrutem na visita a este espaço literário. Este sítio virtual chama-se “Maria Mãe” e tem como página principal os poemas de Maria Helena Amaro.

domingo, 30 de dezembro de 2012

Velhice (Ao Tono)


(Fotografia de António Sequeira)
Velho e cansado ficas no teu canto
a recordar  os desastres da vida
primavera morreu... Estio é desencanto
o outono é feito do teu pranto
o inverno é viagem prometida.
O sol que nasce já não é promessa
e o luar é fonte de saudade
vives sem luz sem rigor sem pressa
tudo que nasce tens medo que pereça
fechas teus olhos à sã realidade.
Não tenhas medo ainda estou aqui
também esqueço as horas que vivi
mas não as quero, já lhe disse Adeus.
É o tempo de vivermos só de esperanças
voltar de novo então a ser crianças
e esperar a visita de Deus.


Maria Helena Amaro
Inédito, julho de 2009

sábado, 29 de dezembro de 2012

Lembrança (09/07/1966)

(Fotografia de António Sequeira)
 
 
Se a dor vem, mas logo vai embora
a vida continua com esperança,
o gosto de esperar também não cansa
e a canção pode ser promissora.
 
Mas, se a dor se repete, não se cura
na chaga aberta que se abre na vida.
Um grande amor pode ser despedida,
e o ser mãe pode ser desventura.
 
Assim aconteceu no meu viver
Minha filha morreu quando nascia
sonho desfeito, dura realidade
 
 E vida fora eu não pude esquecer
o que eu mais desejava, o que mais queria
era ser mãe... Tremenda soledade!
 
 
Maria Helena Amaro
Inédito, julho de 2009

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Lembrança - (22/01/1964)



(Fotografia de António Sequeira)


Enchia a vida de sonhos e promessas,
de projetos de fé e de candura,
vivia sem tropeços e sem pressas,
mãos estendidas em busca de ternura.

Encontrei o amor no meu caminho
e fiz de minha alma um coração,
sedenta de respeito e de carinho,
cantei vida fora uma canção.

Senti no meu seio a doce esperança
de acalentar nos braços a criança
que crescia em mim em harmonia.

Mas o pior da dor aconteceu.
Deus não quis. O meu filho morreu
e nunca mais vivi em alegria.


Maria Helena Amaro
Inédito, julho de 2009

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

10 000 visitas


Hoje, dia 25 de dezembro o contador assinalou 10 000 visitas!
Agradecemos a todos os leitores que visitaram este nosso e vosso lar...
Este nosso espaço nasceu em 9 de novembro de 2011.
Esperamos que cada poema e conto seja para vocês fonte de prazer estético.
Um abraço virtual.
Um Santo e Feliz Natal!
Boas Leituras!

domingo, 23 de dezembro de 2012

Retrato (2009)

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
(Fotografia de António Sequeira)
 
 
Na minha sala há um retrato antigo
de uma menina a abraçar um cão.
Olhos gaiatos, a boca em coração,
rosto tão doce, sereno, tão amigo.
 
A menina me segue o dia inteiro,
olhos gaiatos a procurarem os meus.
E se fecho a porta, ela me diz adeus,
mais o seu cão de focinho matreiro.
 
Imagem viva que vejo a toda a hora,
recorda o tempo em que fui professora
e os alunos que me deram a tela...
 
Gravaram nomes; depois foram embora,
mas o retrato ficou como penhora
duma amizade. Recordação tão bela!
 
 
Maria Helena Amaro
Inédito, 12 de julho de 2009 

sábado, 22 de dezembro de 2012

Paisagem humana (Á Fina)


(Fotografia de António Sequeira) 


Fizeste de cada dia um mar de mágoas,
de viagens de logro e sofrimentos,
naufrágios longos em escuras águas,
em silêncios roxos sem lamentos.

Porque os rochedos te pareciam flores
e as espumas rendas/diamantes
cantavas às estrelas teus amores
em solfejos e rimas delirantes.

Marinheira sem barco e sem maré,
embarcavas todo o dia, toda a hora
em busca de uma praia apetecida...

Agora quando sais: Essa quem é?
Ninguém sabe que foste uma senhora
que um dia se perdeu no mar da vida.

Maria Helena Amaro
Inédito, 12 de julho 2009

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Lenda (2009)

(Ilustração de Maria Helena Amaro)


Diz a lenda
que no dia em que nasceste
as bruxas varreram o terreiro
fizeram uma fogueira
e dançaram, à roda
a noite inteira
debaixo do luar...

O teu pai sorriu
a tua mãe chorou
e a tua avó
com olhos cor de breu
rezou uma oração:
"Deus lhe dê as águas do batismo
e a ponha no céu...»
A parteira
ergueu-te nos espaços
e em abraço de ternura e fé
gritou com alegria
«que linda, que linda que ela é!»

Diz a lenda
que cresceste menina entre meninas
e ficaste para sempre
suspensa no luar...
Beijou-te o mar
e o vento, nas ondas altaneiras,
chamou muitas sereias
que o teu berço quiseram embalar

Diz a lenda...
que há de dizer a lenda
que não saibas?
E que não acredites?

A lenda é sempre a lenda
mentira prometida...
Com palavras bonitas.
Mas uma conta
que todas as bruxas
que dançaram
à volta da fogueira já morreram
apenas uma
ficou dançando à roda
uma estranha moda.
Nos caminhos da vida,
em ritmo maldito.

Diz a lenda...
mas eu não acredito!

Maria Helena Amaro
Inédito, junho 2009

domingo, 16 de dezembro de 2012

Memória - 2009



(Fotografia de António Sequeira)


Não quis o sonho
Rejeitei o sonho
Fui à procura do certo
e da verdade
Enchi a alma de poemas benditos
construi certezas vigorosas
amei a vida
perdi-me na cidade.

Se voltasse de novo
àquele tempo
eu agarrava o sonho
não rejeitava o sonho.
diria os poemas da minha alma
e entregava a Deus
o meu destino.

Ficou-me na memória
um sonho rejeitado
que podia ter sido
na minha vida um hino!

Maria Helena Amaro
Inédito, maio 2009




sábado, 15 de dezembro de 2012

Sempre















(Fotografia de António Sequeira)

Tudo o que fiz na vida foi errado,
em opções consideradas certas,
mas, nas horas escuras e incertas,
regresso, com dor, ao meu passado.

Tive réstias de Sol... pingos de mel,
punhado de flores e de ilusões,
mas vivi a mais dura das traições
em cálice de cristal cheio de fel.

Se vou, não fico... Se fico, quero ir...
penduro água nos olhos a sorrir
e o meu feito é livro bem fechado...

Os erros desta vida não se esquecem
e se os amores são rosas que perecem,
o meu amor vive em mim algemado.

Maria Helena Amaro
junho, 2009

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Identidade - 2012


(Fotografia de António Sequeira)

Sou toda em farrapos repartida.
Coração em Esposende, a alma, na Lousã.
Anda o meu corpo na cidade perdida
em busca da luz doce da manhã.


Ave imigrante de asa enfraquecida,
do mar me vem o Sal (sou tão salgada!)
No peito trago a fé e trago a vida,
barco à deriva de vela incendiada.

Sabe-me a boca à serra e às marés…
Percorro a minha vida lés – a – lés,
Nada quero anular ou esquecer…


Se o mar é sal, a serra é madrugada,
pertenço a três e não me resta nada.
Braga é a cidade que me viu crescer.


Inédito, Maria Helena Amaro
Braga, fevereiro de 2012


domingo, 9 de dezembro de 2012

Imagens da cidade












(Fotografia de António Sequeira)

Imagens da cidade
(Outono, 1951-1957)

Morava na Avenida. Ali em frente,
Naquele casarão avarandado,
que, para mim, foi lar abençoado,
no meu tempo de moça, adolescente.

Na primavera, ouvia a passarada,
a chilrear nas tílias floridas.
No verão via festas divertidas,
Na noite longa, alegre, acalorada.

No outono, os pares de namorados,
de regresso às lides liceais,
suspiravam entre arrufos e ais,
nos bancos da Avenida, enfeitiçados.

Caíam das tíbias as folhas amarelas,
que iam leves atapetar o chão.
Gravura bela a óleo ou a carvão.
Moças bonitas pendentes das janelas.

Vinha o inverno de dias mais pesados.
Braga era chuva, nevoeiro e frio.
A Avenida era um lugar vazio,
Depois da missa, ali, nos Congregados.

Era o tempo das aulas no liceu,
das notas, dos pontos, das corridas,
dos atrasos, das coisas esquecidas
das quimeras, dos sonhos… que sei eu?

(Ainda passo muitas vezes na Avenida
e ao ver o casarão tão arruinado…
- Que desencanto! – Os dias do passado,
já são canções de amarga despedida.)

O casarão enorme da Avenida,
era o ninho da Terra Prometida,
do acordar, do chegar e do partir!..

Sete horas da manhã! Tudo acordava.
Sob a varanda o elétrico tilintava,
vestido de amarelo, tão lento e a … sorrir!

Inédito, Maria Helena Amaro, novembro de 2012

sábado, 8 de dezembro de 2012

81º Concurso de Quadras de S. João, 2009 - Jornal de Notícias – V


(Ilustração de Maria Helena Amaro)


Se sentires a orvalhada,
na noite de S. João,
sou eu que choro acordada,
pois perdi teu coração.

Ó menina não te deites
no meio da confusão...
Que os amores são deleites
que podem ser maldição.

Olha o céu! Olha o balão!
Olha a luz na noite escura!
Na noite de S. João
foste amor de pouca dura.


Maria Helena Amaro
Concurso de Quadras de S. João, 2009 - Jornal de Notícias
 Neste concurso a autora utilizou vários pseudónimos.



quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

81º Concurso de Quadras de S. João, 2009 - Jornal de Notícias – IV



















(Ilustração de Maria Helena Amaro)

Na noite de S. João
hei de brincar a valer...
Quer no ar, ou quer no chão
hei de ser tua mulher...

De tanto, tanto brincares,
na noite de S. João,
ficou-te um sonho nos ares,
e na barriga um balão...

Não vás cortar à roseira
o mais bonito botão...
Não faças dela rameira
na Noite de S. João.


Maria Helena Amaro
Concurso de Quadras de S. João, 2009 - Jornal de Notícias

domingo, 2 de dezembro de 2012

81º Concurso de Quadras de S. João, 2009 - Jornal de Notícias – III


 
 
(Fotografia de António Sequeira)
 
 
 
Não sei se vou ou se fico,
e pecar não quero não.
Mas, tu és um mafarrico
na noite de S. João.
 
Eu não tenho namorado
nem saiínha de balão,
mas tenho um cravo encarnado,
dentro do meu coração.
 
Por amar perdi a graça
e matei o coração...!
Esse desgosto só passa
na noite de S. João.


sábado, 1 de dezembro de 2012

81º Concurso de Quadras de S. João, 2009 - Jornal de Notícias – II





(Fotografia de António Sequeira)


Ervas Santas, manjerico,
cravos, rosas, mais balão,
tanto par, em bailarico,
a espalhar-se no chão!


Com teus olhos a luzir
e a tua saia em balão,
lembras sinos a tinir,
na noite de S. João.


Por amor fui à fogueira,
a fogueira me queimou,
afinal fiquei solteira:
- S. João não me casou!



Maria Helena Amaro
Concurso de Quadras de S. João, 2009 - Jornal de Notícias





quarta-feira, 28 de novembro de 2012

81º Concurso de Quadras de S. João, 2009 - Jornal de Notícias - I


(Ilustração de Maria Helena Amaro)




Onde vais assim vestida
com a tua saia em balão?
- Vou ganhar a minha vida
na noite de S. João!



Onde vais tu ó Maria
com o manjerico na mão
- Vou viver com alegria
a noite de S. João!


Era espinho de roseira
de roseira sem botão,
Floriu! Que pasmaceira,
na noite de S. João!




Maria Helena Amaro
Concurso de Quadras de S. João, 2009 - Jornal de Notícias

domingo, 25 de novembro de 2012

Páscoa 2009 (vários)

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
(Fotografia de António Sequeira)
 
 
 
Para a Lola:
 
 
«Tempo de luz
em harmonia...
Floriu a Cruz
Aleluia!»
 
 
Para o Pedro Miguel:
 
«A passarada
anda no ar
tempo de paz
e de alegria
Voa sem dor
sempre a cantar
Aleluia! Aleluia!»
 
 
Para o Tomané:
 
«Todas as Páscoas
tem a sua história
mas a mais bela
é aquela
que retemos
na memória.»
 
Maria Helena Amaro
abril, 2009
Cartões de felicitação.

 
 

sábado, 24 de novembro de 2012

Páscoa 2009 - Pedro António



(Fotografia de António Sequeira)

- Coelho de Páscoa
é o Pedrinho
a saltitar
pelo caminho
a procurar
o seu ovinho
escondidinho!


Maria Helena Amaro
1 de abril de 2009
Cartão de felicitação.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Francisco - Páscoa 2009




















(Fotografia de António Sequeira)



Ovo de Páscoa
é o Francisquinho
biquinho
de fora
se dá um beijinho
ao seu avozinho
quando vai embora.


Maria Helena Amaro
Cartão de felicitação de Dia de Páscoa
1/4/2009

domingo, 18 de novembro de 2012

Convite - Reunião de Curso 2009


(Ilustração de Maria Helena Amaro)


Vinde todos,
vinde todos ao Encontro
recordar
ponto por ponto
os tempos da mocidade...
Tudo tem a sua história
nesse ditoso passado;
e contar não é preciso
basta apenas um sorriso
e um abraço apertado.

Vinde todos,
vinde todos sem demora,
que o Encontro é lição
da Alegria e de Amizade.
Algumas já foram embora
mas estão em cada hora
em imagem de Saudade
neste nosso coração.

Façamos uma promessa
com Esperança e com Verdade:
«Enquanto a vida deixar
havemos de nos juntar
e esquecer a idade»

Maria Helena Amaro
Inédito, abril de 2009

sábado, 17 de novembro de 2012

Reflexão VII





















(Fotografia de António Sequeira)


Houve tanta opção na minha vida
Perguntas, sem resposta, ideias sem sentido,
versos escritos em forma de gemido,
sonhos, loucuras, tanta coisa perdida.

Caminho nua nesta longa jornada,
as mãos vazias, o corpo esfarrapado,
rasgo em pedaços as folhas do passado,
vivo esta noite que não tem madrugada.

Se me perguntas onde vou não sei
onde estão esses a quem tudo entreguei
e dos quais nem risos recebi.

Nesta procura, de mim nada salvei,
nesta amargura negra, mergulhei...
Quem vem salvar-me? Quem me tira daqui?


Maria Helena Amaro
Inédito, março 2009 

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Apelo (fogueira)



(Ilustração de Maria Helena Amaro)


Torna-se a vida numa fogueira acesa
de labaredas de dor e desespero
quem sou eu já não sei, o que tenho não quero
toda a revolta é prata à minha mesa

Choro e não choro e só quero chorar...
digo e não digo e só quero dizer...
Só versos mortos os que escrever...
Tenho na voz a alma a sufocar

Por onde vou só me quero perder
caminho estreito que irei palmilhar
noite de  dor sem estrelas ou lua...

Ó quem pudesse ajudar-me a sofrer
esta amargura que me vem atolar,
que imunda de tristeza a minha rua!


Maria Helena Amaro
Inédito, fevereiro de 2009.




segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Periodicidade de publicação

Caros leitores:
De forma a dar um maior relevo à página de contos deste mesmo espaço virtual denominado “Maria Mãe” os poemas de Maria Helena Amaro continuarão a ser publicados na página inicial, mas apenas à quarta-feira, sábado e domingo. Nos restantes dias da semana serão editados os contos da mesma autora – página contos em edição.
Assim, os leitores terão mais tempo para ler e fruir as criações literárias da autora.
Um abraço virtual.
António Sequeira.
12 de novembro de 2012. 

domingo, 11 de novembro de 2012

Pausa VIII

(Ilustração de Maria Helena Amaro)



Varre o passado. Não o recordes mais.
Todos os sonhos se tornaram dores...
Já não há madrugadas de flores.
Nem as serenas tardes outonais.

Foste senhora de riquezas tais:
hinos, canções, quimeras, esplendores.
Era um passado de radiosas cores,
versos de amor, cantigas, madrigais.

Tudo se foi, não voltará jamais.
Varre o passado, não o recordes mais.
Morreram anjos, morreram trovadores...

Os desgostos da vida são chacais
deixam na tua vida os seus sinais
rugas, cansaço, amargos dissabores.


Maria Helena Amaro
Inédito, fevereiro 2009.

sábado, 10 de novembro de 2012

Dor (nas tuas mãos)


(Ilustração de Maria Helena Amaro)


Nas tuas mãos inertes e vazias
restam as cinzas da fogueira apagada.
Foram-se as labaredas. São tão frias,
estas horas que esperam madrugadas!

Foram-se também as alegrias,
o repicar da festa anunciada...
Sonhos, anseios, promessas,  fantasias
de uma vida serena e demorada.

Tudo se foi em louca revoada
na voragem triste  destes dias
na certeza que é ida sem regresso.

Como posso então ficar calada
ao descobrir o fosso onde te enfias?
Canto à vida a minha dor em verso!


Maria Helena Amaro
Inédito, fevereiro 2009.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Carta/mensagem



















(Ilustração de Maria Helena Amaro)


Gostava que soubesses
que foste um sonho lindo
que um dia encontrei
e não quis agarrar...

Tão distante andava
que passaste por mim
que chamaste o meu nome
e não quis escutar...

Onde fui procurar
um caminho diferente
que nunca me encontraste
de tão longe que era...

Ficou-me na lembrança
o teu riso sereno
figura fugídia
em doce primavera...

Maria Helena Amaro
Inédito, março, 2009

 

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Sem Abrigo

(Ilustração de Maria Helena Amaro)

Na rua estreita
na rua escura
a lua espreita
toda brancura...

Vou pela noite
num tremedouro
frio é açoite
chuva é um choro

Alma descalça
corpo transido
Para quem passa
sopro é gemido

Mágoa sem nome
em cada porta
morro de fome
mas não estou morta

Quando chegar
a madrugada
volta a cantar
a passarada

E eu, então
volto a nascer
O sol na mão
vai-me aquecer!

Maria Helena Amaro
janeiro, 2009

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Carta



















(Ilustração de Maria Helena Amaro)


Ondes estás,......, por onde andas
por que zonas de sombra te deterás?
Por que sítios, por que ruas, por que bandas,
que nada sei de ti e dos teus bens...

Os males estão comigo nesta hora...
- é o mais só que a solidão contém -
Mágoa vai... mágoa é... e mágoa vem...
E o desalento já não vai embora!

Ai que saudades da nossa meninice,
em que amar e desamar era ventura,
em que o riso e o choro eram amigos...

Esquecer é bom... Mas quem o disse?
Na minha alma há restos de ternura
e são bem teus os meus risos antigos!

Maria Helena Amaro
Inédito, janeiro 2009